sexta-feira, 1 de junho de 2007

A VISITA DE BENTO XVI AO BRASIL E O DECLÍNIO DO CATOLICISMO.

A visita do Pontífice Joseph Ratzinger ao Brasil será pura coincidência? Ou será porque o Brasil é o maior país com numero de católicos não só na América Latina como também no mundo. A visita do Papa Bento XVI ao Brasil serviu para a confirmação do que todos já sabiam, que a igreja católica não vai mudar tão cedo seus dogmas para se adaptar à nova era, o que vemos é que esse novo tempo que tem que se adequar aos dogmas da igreja.
Dentre alguns temas centrais discutidos pelo Pontífice nas celebrações, estão: o aborto, a obrigatoriedade do ensino católico nas escolas publicas e a castidade antes do casamento. Estes três temas são os mais polêmicos. Seu discurso prega um tipo de “cruzada” contra o aborto no Brasil e no mundo, ameaçando excomungar todos os lideres políticos que implantassem a legalização. Falta ao Papa um pouco mais de conhecimento sobre a realidade brasileira; aqui nas terras tupiniquins, muitas mulheres são estupradas todos os dias, jovens com menos de 13 anos engravidam aos montes, bebês nascem sem cérebros, etc. Antes de vir ao Brasil, Bento XVI pressionou o presidente Luís Inácio Lula da Silva, para que fosse obrigatória a disciplina de ensino religioso (no caso, ensino do catolicismo apostólico romano) em todas as escolas da rede publica. O presidente expôs o caráter laico do estado ao aceitar qualquer tipo de religião e deu a entender que, no Brasil, cada um tem a liberdade para escolher a religião que mais lhe agrada. A idéia que o papa passa nessa atitude é um tipo de “Inquisição”, pois tira todo e qualquer direito de livre arbítrio que o cidadão tem em escolher sua religião. Tem também a questão da castidade antes do casamento e até mesmo o voto de celibato. Quando se entra em contato com um pastor ou uma pastora se conhece a família e todo o ambiente familiar que os cercam, filhos, filhas, esposas, maridos. Sem contar que na maioria das vezes esses pastores e pastoras são muito carismáticos, enquanto padres e freias, são muito reservados e distantes do povo. Até existem padres carismáticos, mas são excelentes vendedores de discos ou torcedores fanáticos de algum time de futebol! Salvo raras exceções, tornando-se assim pouco próxima esse laço entre sacerdote e fiéis, para a maioria dos fiéis a igreja católica só chega através das declarações do papa, cardeais e bispos perante a mídia, já as igrejas evangélicas chegam através de panfletos, revistas e jornais gratuitos (ou não) e também através dos oradores que batem porta a porta. A realidade que vimos é o distanciamento da igreja para com a classe pobre. Pois se analisarmos patrimônicamente a localidade onde as grandes catedrais e importantes igrejas católicas se encontram, veremos que se localizam em bairros mais centrais e resumindo-se na maioria das vezes a abertura desses templos em missas dominicais, tornando-se assim cada vez mais distantes de seus seguidores, deixando assim essa aproximação com os fiéis para as “Casas de Missões de Comunidades” que são um braço muito forte da igreja e se difundiram muito nessa ultima década justamente pelo fato de interagir com a comunidade e de estar mais perto de seus problemas. Isso aparentemente seria uma solução, porém se criou uma preocupação em torno disto, pois os fiéis estão deixando de ir para as igrejas para ir a essas Casas de Missões, onde se tem mais contato humano, acarretando assim, em mais um problema para a igreja. Praticamente não existem igrejas católicas na periferia, no subúrbio ou na favela, onde as camadas menos favorecidas se encontram, se vê lá as igrejas evangélicas interagindo com a população, conhecendo seus problemas, tentando resolver e dando a força espiritual que tanto essa população necessita. Outro problema gerado para a igreja católica é a grande propagação das igrejas protestantes, também chamadas de igrejas evangélicas, aonde vimos nascer o movimento protestante na Alemanha com Martin Lutero e na França e Suíça com João Calvino. Desde o surgimento deste novo seguimento do cristianismo vemos aumentar os templos protestantes, o que alguns estudiosos chamam hoje de “Esquinamento” das igrejas, ou seja, a conseqüência dessa propagação tão avassaladora dos tempos evangélicos acarretou conseqüentemente na saturação das igrejas, quando o que vimos hoje a grosso modo é em cada rua a existência de uma igreja evangélica, quando não duas igrejas. É inegável que as igrejas evangélicas vão em busca de seus fiéis, coisa que a igreja católica ainda não faz. A igreja católica já foi detentora de 85,0% dos fiéis, restando assim 15,0% da fatia de fiéis a serem divididas entre as outras religiões, hoje este número se reduz a 49,5%, mesmo assim o Brasil é o maior país de católicos do mundo e até a visita do papa não tinha um santo que o representasse, não tinha, pois no dia 11 de Maio de 2007 foi canonizado Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro. Coincidência ou não, foi canonizado justamente quando o maior país em numero de católicos está perdendo de maneira brusca seus fiéis.
Uma questão bastante curiosa é que mesmo com passeios pelas ruas a maioria das celebrações que o papa realizou no período que esteve no Brasil foi só para convidados, até os jovens que foram ao encontro do papa tem uma relação muito próxima com a igreja, a grande maioria faz parte de alguma paróquia e foram representa-las. Se a igreja não se atualizar e se tornar mais interativa vai continuar perdendo fiéis, as pessoas procuram à igreja que lhes dão conforto espiritual e que melhor lhes acolhem e não a que o aterroriza com o discurso de que se você não for de determinada religião vai ser jogado na fogueira ou torturado até a morte.
A igreja católica ainda é muito falada na mídia, mais especificamente “mal-falada”, por ser contra o divórcio, mãe solteira, aborto, métodos anticoncepcionais e a negação do sacramento a divorciados. Vivemos no século XXI, mas a igreja católica persiste em dogmas da idade média.
Se a igreja católica quiser se aproximar novamente de seus fiéis de batismo e trazer o maior número possível para sua doutrina, é necessário que seu clero suba as escadarias dos morros, vá nos barracos dos favelas, etc. Até o próprio Jesus Cristo foi em busca de seus seguidores. A igreja criou um abismo entre sues próprios fiéis, onde a maioria das pessoas batizadas na própria igreja católica migram para as igrejas evangélicas, optam por seguirem outra religião ao se frustrarem com o catolicismo ao ainda, o mais comum, a não disposição dos indivíduos para qualquer tipo de religião.
É onde eu pergunto: coincidência Joseph Ratzinger, ou melhor, Bento XVI visitar o Brasil e canonizar Frei Galvão?.