domingo, 26 de julho de 2009

Suícidio

Dos assuntos polêmicos que permeiam o mundo, o suicídio é um dos mais polêmicos possíveis. Hoje (principalmente sob os dogmas cristãos ocidentais) é tido como um mal e interpretado como covardia humana. Porém o mesmo em outros tempos e por outras sociedades não foi tratado de forma tão desprezível assim. A história nos mostra que o ato de tirar a própria vida, por diversas civilizações em diversos períodos foi um ato nobre e de coragem. Na Grécia e Roma antiga, só quem “podia” se matar eram os nobres e/ou políticos. Geralmente o suicídio era praticado através da perfuração, seja ela de faca ou espada. Porém, havia, entretanto, o suicídio por picada de animal peçonhento, a exemplo temos Cleópatra que se deixou ser picada por uma serpente. Além dessas duas formas, havia também a morte por envenenamento (essa ultima considerada menos nobre).
No oriente existiu uma espécie de código samurai denominado de Bushidô, proveniente das palavras ‘Bushi’, que significa "guerreiro", e ‘Do’ que significa "o caminho". Bushidô significa então: "o caminho do guerreiro". Sendo assim, só os grandes guerreiros Samurais poderiam cometer suicídio. O suicídio do Samurai só ocorria quando o mesmo não se sentia mais apto a defender as fronteiras de seus senhores. Portanto, o suicídio só era aplicado em ultima instancia.
No mundo musical o suicídio mais polemico é o do cantor e ex líder da extinta banda americana de Grunge, Nirvana. Kurt Donald Cobain (supostamente porque há controvérsias e no processo causa morte) teria cometido suicídio no dia 05/04/1994, com um tiro de espingarda na cabeça, porém, a quantidade de heroína encontrada em seu corpo era tão elevada que se tornaria impossível alguém ter forças para puxar o gatinho. Contradições e desconfianças a parte, o fato é que Kurt Cobain morre deixando uma carta escrita em vermelho, além de uma legião de fãs “órfãos” por todo o mundo.
No Brasil, o suicídio mais famoso se encontra no campo político. Na época o então presidente Getulio Dorneles Vargas, envolvido em várias polemicas, como ultimo recurso decide cometer suicídio no dia 14/08/1954, suicida-se com um tiro no coração, em seu quarto, no palácio do Catete, na cidade do Rio de Janeiro (então Capital Federal). Vargas é conhecido também pela frase que deixou em sua carta de despedida: “Saio da vida para entrar na História”. Outro “suicídio” brasileiro famoso foi em 24/10/1975. A morte do jornalista (na época ocupando o cargo de diretor jornalístico da TV cultura) Vladimir Herzog. Em pleno regime da ditadura, o mesmo foi preso sob a acusação de pertencer ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), na época classificado pelos militares de ilegal, fichado no Destacamento de Operações de Informações/Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) como subversivo, foi fortemente torturado até a morte. Os militares tentaram “maquiar” o fato e atribuir sua morte a um suposto “suicídio”, porém exames posteriores revelaram que o corpo do jornalista havia sofrido tortura e se encontrava com vários hematomas.
Como vimos, o suicídio muda o curso da História, seja ele questão de honra tal qual no período greco-romano e na época dos Samurais ou jogo político. Atualmente, segundo os paradigmas da crença cristã, o suicídio é visto como algo desprezível, imperdoável e considerado um dos pecados mais graves. Mas, se segundo a própria crença cristã, Deus nos deu o livre arbítrio para escolhermos o que queremos na vida, porque não podemos escolher se queremos continuar nesse mundo ou não. O suicídio é polemico por essência, afinal, quem melhor que ele para bater de frente e desafiar os padrões socioculturais modernos?

4 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Gostei Marcilo, bellíssima problematização do suicídio.É importante pensarmos no suicídio de forma mais ampla, sem vinculação à ideais religiosos ou coisas do tipo, o sujeito em questão tambem deve ser visto e compreendido...
abraços
PS: pena que existem babacas que aparecem para avacalhar as ideias alheias, enfim...parabéns.

Renato Paiva disse...

Boa questão trabalhada, é importante pensarmos esses temas que nos acompanham desde as mais remotas civilizações, no entanto são banalizadas socialmente.

Anônimo disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,